Companhia Ituana de Saneamento amplia medidas de preservação de mananciais e avalia implementação do rodízio de abastecimento - CIS
18834
post-template-default,single,single-post,postid-18834,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-11.1,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.7.0,vc_responsive
 

Companhia Ituana de Saneamento amplia medidas de preservação de mananciais e avalia implementação do rodízio de abastecimento

Autarquia reduz vazão de tratamento de água e mantém paralisações de abastecimento entre 20:00h e 06:00h em pontos da cidade. CIS já enfrenta o ano mais seco da história de São Paulo e conta com o apoio da população para superar este desafio.

Com índices de chuva abaixo da média histórica e a confirmação do mais severo período de estiagem já visto no Estado de São Paulo, a CIS – Companhia Ituana de Saneamento estende, a partir de hoje (15/06), o período de aplicação das medidas de preservação de mananciais em toda a cidade.  

As ações, antes realizadas entre 22:00h e 05:00h, serão aplicadas entre 20:00h e 06:00h.  São elas: condomínios residenciais, regiões do Pinheirinho, Pirapitingui e bairros Paraíso 01 e 02 têm abastecimento interrompido; redução da quantidade de água tratada na ETA Rancho Grande com diminuição de pressão nas redes de distribuição da região central; Sistema Itaim – que abastece os bairros Potiguara, Chácaras Reunidas Ipês, Jd. Oliveira, Bom Viver, Santa Inês, Chácaras Florida, Vila Real R1, Uderico Ferrari e Itaim Guaçu – fica inoperante no período.

Áreas mais afastadas, conhecidas como ponta de rede, têm mais intermitências de abastecimento ao longo do dia (Ex.: ruas dos bairros Nossa Senhora da Candelária, Vila Esperança, Jardim dos Ipês, Jardim Eridano, Vila São José, entre outros). Estes locais já contam com suporte de caminhão pipa.

De acordo com o superintendente da CIS, Reginaldo Santos, novas medidas serão adotadas caso as previsões de chuva para o próximo final de semana não se confirmem. “A situação está crítica e não podemos descartar um possível rodízio. Dentro deste contexto, vamos trabalhar com todas as possibilidades para manter o abastecimento de água da população”, salienta.

Santos, contudo, pontua que não há risco do “fantasma de 2014” voltar a assombrar a cidade. “A CIS garantiu segurança hídrica com investimentos em duas captações que não secam: Sistemas Mombaça e Pirajibu.  Sozinhas, elas garantem 50% de água bruta para nossas operações. O outro montante é proveniente das outras bacias que dependem da recarga das chuvas”, explica o superintendente da CIS.

Apesar do cenário preocupante, a CIS segue com obras e ações necessárias em todas as regiões da cidade. São executados neste momento a ampliação da Estação de Tratamento do Rancho grande, com instalação de quatro novos filtros; a construção de um reservatório de água tratada, com capacidade para um milhão de litros no bairro Potiguara; a instalação de novas bombas no Sistema Mombaça, visando otimizar e acelerar o envio de água da captação até a ETA do Rancho Grande;  a inserção de macromedidores para controle maior das perdas na rede de distribuição de água; a substituição de quase oito quilômetros em redes no Bairro Brasil,  para redução de vazamentos e melhoria da distribuição; a ativação de poços para abastecimento da região do Parque Industrial; a captação de recursos para reforma completa da ETA do Itaim; a setorização de redes no Pirapitingui e a construção da Adutora Vila Martins, que permitirá abastecimento pleno em todas as ruas na região, mesmo as mais altas.

Nível dos Mananciais
Atualmente, os mananciais que abastecem Itu operam com 43,1% da capacidade média. Seguem os dados:

PIRAPITINGUI (ETAs Portal do Éden e Hospital):

• Bacia do Pirajibu (captação que não seca): 99%
• Bacia do São Miguel / Varejão: 50%
• Bacia do São Miguel: 30%

CENTRAL (ETAs Itaim e Rancho Grande):

• Bacia do Mombaça (captação que não seca): 99%
• Bacia do Itaim: 35%
• Bacia do Taquaral / Pirapitingui: 30%
• Bacia do Braiaiá: 15%
• Bacia do Gomes: 15%
• Bacia do São José: 30%

Problema Nacional
Cinco estados brasileiros, entre eles São Paulo, enfrentam o que já é considerada a pior seca em 91 anos. O governo federal emitiu pela primeira vez na história um alerta de emergência hídrica para o período de junho à setembro. “Desde o início de março, estamos divulgando informações importantes sobre o clima e seu impacto em nossos mananciais. Diante de um período de estiagem tão severo, a colaboração da população é fundamental. O desperdício de água não pode ser tolerado. Com apoio da Prefeitura de Itu, mais viaturas de fiscalização percorrem bairros e multas podem ser aplicadas”, finaliza Santos.