CIS investe R$ 1,74 milhões para construção de emissário de esgoto na região do Pirapitingui - CIS
17269
post-template-default,single,single-post,postid-17269,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-11.1,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-6.0.5,vc_responsive
 

CIS investe R$ 1,74 milhões para construção de emissário de esgoto na região do Pirapitingui

Com 2,2 quilômetros de extensão, novo equipamento integra a coleta de toda a rede de esgoto nos bairros locais e deve reduzir históricos problemas de vazamentos na Bacia do Córrego Tapera Grande.

A CIS – Companhia Ituana de Saneamento viabilizou recursos para construção de um novo emissário de esgoto sanitário da Bacia do Córrego Tapera Grande, que cruza os bairros do Pirapitingui.  O equipamento será parte integrante da rede de esgoto destinada a conduzir os materiais recolhidos na região até o local de lançamento. Com 2,2 quilômetros de extensão, obra vai reduzir históricos problemas de vazamentos veiculados ao antigo emissário. Serão investidos R$ 1.736.900,97 – sendo R$ 1.563.210,88 provenientes do Fundo Estadual de Recursos Hídricos (FEHIDRO) e R$ 173.690,09 provenientes da contrapartida da autarquia. A liberação da verba foi oficializada hoje (23/09) em cerimônia realizada no Palácio dos Bandeirantes em São Paulo (SP).

De acordo com Vincent Menu, superintendente da CIS, a obra que vai substituir o trecho problemático do emissário de esgoto será executada com material de melhor qualidade, seguindo os padrões já adotados pela companhia desde o início de sua gestão em fevereiro de 2017.

“Foram muitas reclamações recebidas de munícipes que residem ou visitam estabelecimentos próximos do córrego Tapera Grande por conta do antigo emissário. O equipamento nunca teve a manutenção necessária. Após estudos, concluímos que a melhor solução para este entrave seria a construção de um novo emissário de esgoto”, explica Vincent Menu. “Por isso, pleiteamos os recursos para realizarmos a obra que deve sanar problemas de vazamento e reduzir danos ambientais”, conclui.