Sem chuvas, mananciais em Itu atingem 67% de capacidade e se não houver economia, racionamento poderá ser a alternativa - CIS
16583
post-template-default,single,single-post,postid-16583,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-theme-ver-11.1,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.1.1,vc_responsive
 

Sem chuvas, mananciais em Itu atingem 67% de capacidade e se não houver economia, racionamento poderá ser a alternativa

Grandes obras serão inauguradas ainda em 2018, no entanto, CIS reforça pedido para que a população economize água em suas residências para enfrentar forte estiagem.

A última análise feita pela Companhia Ituana de Saneamento – CIS mostra que os sete reservatórios de água bruta que abastecem a cidade atingiram 67% de sua capacidade. Em maio deste ano, a capacidade média era de 81%. As Bacias São Miguel e São Miguel/Varejão, que abastecem a região do Pirapitingui, operam com 60% e 80%, respectivamente. No abastecimento da região central, atuam as bacias do São José e Braiaiá, com 90%; Taquaral/Pirapitingui, com 75%; Gomes com 50% e Itaim, com 30%.

A situação preocupa os dirigentes da autarquia, já que Itu não registra chuvas significativas há mais de 100 dias. No primeiro semestre, choveu apenas 364 mm. A média desde 1988 é de 732mm. Em 2014, ano da histórica crise no abastecimento de Itu, o volume foi de 484mm. “Ainda temos água, mas a previsão para os próximos 80 dias é de clima seco, com temperaturas acima da média para o inverno. Ou seja, o risco de racionamento de água é crescente e segue avaliado em nossas reuniões e pode ser uma alternativa”, pondera o superintendente da CIS, Vincent Menu.

Por conta da situação das barragens de captação, a CIS já fez a abertura e a transposição de reservas estratégicas. A companhia está realizando uma força tarefa desde o dia 09 de julho para regularizar o nível operacional de cada bacia. O Sistema Mombaça / Pau D´Alho também oferece suporte para o abastecimento e água dos ituanos, que precisam seguir economizando e promovendo o consumo consciente de água. Espera-se a economia de 30% em todas as residências ituanas.

Por fim, a autarquia destaca trabalho simultâneo em diversas frentes de obras. São grandes ações que ficarão prontas ainda este ano. “No final de julho finalizaremos a adutora do Mombaça, o que dará mais segurança para iniciarmos um trabalho de desassoreamento e recuperação de volume em represas da cidade ainda em 2018. As bacias do Gomes, São Miguel, Fubaleiro e Itaim serão contempladas. Além disso, após concluir os processos licitatórios, já iniciamos a construção do novo reservatório de água tratada para armazenar mais 3 milhões de litros na Estação de Tratamento do Rancho Grande. Esta obra ficará pronta em 150 dias. Também iremos ativar nos próximos dias 10 poços para melhorar o abastecimento da região do Parque Industrial. Serão mais cinco milhões de litros de água, por dia, nas redes de distribuição. Em breve, divulgaremos todos os detalhes para a população, que precisa economizar água”, destaca Vincent Menu.